Breve testemunho de uma visita a Auschwitz

por Cronista convidado,    27 Janeiro, 2021
Breve testemunho de uma visita a Auschwitz
Fotografia de Moisés Valente
PUB

Auschwitz é sem dúvida um dos locais mais profundamente tristes onde estive. As fotos saíram-me entre os murmúrios das histórias contadas pela guia e o silêncio das lágrimas que me escorriam pela cara. O peso da dor humana, passados 75 anos ainda era tão denso como o nevoeiro que predomina nas manhãs de Janeiro nesta região.  

Arbeit macht frei — “O trabalho liberta” — A frase que recebia os prisioneiros no campo. A luz de uma esperança que jamais chegaria. Liberdade era algo que não existia para além daqueles portões, mas “a máquina” foi construída com o propósito de ludibriar, e tal reflete-se no Bloco 11. Um bloco prisional, dentro daquilo que era já em si uma prisão a céu aberto. A tela do expoente mais baixo da dignidade humana. A sala das torturas. Não consigo sequer ter a frieza de imaginar o que questionaria um soldado a si mesmo, ao fazer a ronda entre aqueles corredores onde ecoavam gritos angustiantes de dor e desespero.

Fotografia de Moisés Valente

Mas consegui ter um rasgo da sensação, ao entrar numa câmera de gás e perceber que as paredes estavam cobertas das marcas do sofrimento daquelas pessoas, e que em cada uma dessas marcas estava o último suspiro de alguém.  

Mas a humanidade consegue ter tanto de desprezível como de venerável, e isso foi-me provado pela resiliência de uma sobrevivente de 94 anos que nesse dia tive a honra de conhecer. Alguém que se deitou nas mesmas tábuas de madeira onde agora pousava a mão. Reparei, porém, que as mãos dela eram delicadamente lisas para a idade em comparação com as tábuas, que por sua vez tinham apodrecido e estavam quebradiças. Por aquela janela suja e embaçada, a miúda de outrora sonhou que poderia ser livre. 75 anos depois voltou para mostrar que conseguiu. Mas a alma o seu pai, irmão e tantos outros milhares de pessoas inocentes ainda jazem naquele campo, para de alguma forma nos lembrar que há erros que não são para serem repetidos.  

Crónica e fotografias de Moisés Valente

Fotografia de Moisés Valente
Fotografia de Moisés Valente
Fotografia de Moisés Valente
Fotografia de Moisés Valente
Fotografia de Moisés Valente
Fotografia de Moisés Valente
Fotografia de Moisés Valente

Gostas do trabalho da Comunidade Cultura e Arte?

Podes apoiar a partir de 1€ por mês.

Artigos Relacionados