Cientista político Francis Fukuyama defende que “política de ressentimento” domina política internacional

por Comunidade Cultura e Arte,    16 Outubro, 2018
Cientista político Francis Fukuyama defende que “política de ressentimento” domina política internacional
Francis Fukuyama
PUB

Identidades, o novo livro de Francis Fukyuama, chega hoje às livrarias nacionais, quase em simultâneo com a publicação nos EUA, numa edição da Dom Quixote. O cientista político, que em tempos determinou o fim da História, escreve para alertar que a política internacional é dominada por eleitores que consideram terem sido desconsiderados na sua dignidade: étnica, nacional, religiosa, sexual. Aquela a que chama «política de ressentimento» dirige, no seu entender, as democracias europeias e americana.

Em 2014, Francis Fukuyama já tinha defendido que as instituições norte-americanas e globais estavam em decadência, pois o Estado estava cada vez mais refém de grupos de interesse poderosos. Dois anos depois, a sua previsão ganhou relevância com a subida ao poder de políticos anti-sistema, cujo nacionalismo económico e tendências autoritárias vieram desestabilizar a ordem internacional vigente. Estes líderes nacionalistas e populistas procuram ligar-se directa e carismaticamente “às pessoas”, em regra consideradas em termos identitários restritos, o que exclui segmentos importantes da população.

Francis Fukyuama

Em Identidades, Fukuyama explica que as exigências de identidade ditam muito do que se está a passar na política mundial do nosso tempo. O reconhecimento universal, no qual se baseia a democracia liberal, tem sido cada vez mais posto em causa por formas de reconhecimento crescentemente circunscritas baseadas na nação, religião, etnia e género. Daqui resulta o populismo anti-imigração, o ressurgimento do Islão politizado, o fracturante «liberalismo identitário» das universidades e a emergência dos nacionalismos. Uma advertência importante para que estaremos condenados ao conflito interminável, caso não reconheçamos universalmente a dignidade de todos os seres humanos, escreve.

Francis Fukuyama é investigador-principal Olivier Nomellini no Freeman Spogli Institute for International Studies. Antes, ensinou na Paul H. Nitze School of Advanced Studies da Universidade de John Hopkins e na George Mason University School of Public Policy. Fukuyama foi investigador na RAND Corporation. Entre outros, é autor dos livros O Fim da História, Origens da Ordem Política e Ordem Política, Decadência Política.

Gostas do trabalho da Comunidade Cultura e Arte?

Podes apoiar a partir de 1€ por mês.

Artigos Relacionados

por ,    21 Janeiro, 2021

A extensão da encrenca é algo caricata, para um partido tão recente que, por bandeira, se diz "anti-sistema", "anti-corrupção", que diz vir para "acabar com a bandalheira", quando no fundo está recheado com aquilo que de pior temos no sistema. Não é bom sinal quando a podridão é mais notória dentro do partido que mais diz querer o fim da podridão.

Ler Mais