Corpo de Salvador Dalí exumado para testes de paternidade

por Jornal i,    28 Junho, 2017
Corpo de Salvador Dalí exumado para testes de paternidade
PUB

Juíza de Madrid mandou desenterrar restos mortais do artista, cujo corpo embalsamado se encontra sepultado na cripta do seu teatro-museu, em Figueres. Pedido partiu de uma cartomante que reivindica ser filha do génio espanhol.

Uma estranha atitude face à sexualidade: isto é o mínimo que se pode dizer sobre o genial e provocador artista espanhol Salvador Dalí. Um dia, quando era jovem, terá atirado com um saco de esperma ao pai, num gesto de revolta. O progenitor desaprovava vigorosamente o seu envolvimento com Gala, que considerava uma toxicodependente e uma péssima influência. Dalí e Gala, que gostavam de se sentar nus à mesa para escandalizar a criada que lhes servia as refeições, acabariam mesmo por se casar e na sequência da união o pai decidiu deserdá-lo. Curiosamente, suspeita-se que o artista e a sua musa, uma mulher dez anos mais velha, nunca tenham consumado a relação.

O surrealismo, movimento de que o artista natural de Figueres, Catalunha, foi um dos máximos expoentes, explorava os recessos do inconsciente e o poder das pulsões sexuais. Dalí chegou a visitar Freud em Londres, onde este passou o fim da vida exilado, e deixou mesmo um retrato a tinta-da-china do pioneiro austríaco.

O artista possuía, portanto, uma noção muito nítida dos impulsos eróticos que palpitam no ser humano. Mas exorcizava-os através de telas perturbadoras como “Donzela Sodomizada pelos Chifres da sua Castidade” ou “O Grande Masturbador”. E ainda de outras formas muito pouco convencionais: por exemplo, organizando orgias na sua mansão de Port-Lligat, às quais assistia escondido num recanto. Aparentemente, o ato sexual, fosse com homens ou mulheres, não o seduzia, bem pelo contrário.

Estes comportamentos invulgares podem ter resultado de traumas de infância. Na sua delirante autobiografia, “A Vida Secreta de Salvador Dalí” (1942), revelava: “Durante muito tempo, experimentei a angústia de acreditar que era impotente”. Ali dizia também que desenvolvera um certo gosto pela necrofilia (sexo com cadáveres), que conseguiu ultrapassar. Já o seu biógrafo e amigo Ian Gibson notou que Dalí detestava que lhe tocassem e sentia uma aversão violenta pelos órgãos genitais femininos, comparando o coito a uma “selva sangrenta”.

Porventura calarei muitas bocas” Mas e se afinal o perfil sexual de Dalí não fosse assim tão peculiar? Essa é a convicção de Maria Pilar Abel Martinez, uma cartomante de Girona que defende que o artista teve um caso extraconjugal com a sua mãe em meados da década de 1950. Maria Pilar, que nasceu em 1956 e vive em Girona, acredita ser fruto dessa relação e diz ser fisicamente muito parecida com Dalí: “Só me falta o bigode”, declarou ao “El Mundo”. Esta semana, a natural de Girona viu uma juíza de Madrid dar-lhe razão. “Estou muito contente. Agora vai saber-se a verdade sobre o meu ADN e porventura calarei muitas bocas, pela minha família e pela minha mãe”.

À falta de outros objetos que pudessem servir de amostragem para os testes comparativos, a juíza Maria de Mar Crespo deu ordem para exumar os restos mortais do excêntrico artista. Dalí encontra-se sepultado na cripta do museu-teatro que mandou construir em Figueres, onde viveu recluso, após a morte de Gala. Não chegou a ser congelado para poder ser “ressuscitado” mais tarde – uma hipótese que se chegou a colocar – mas, de acordo com instruções dadas aos seus colaboradores, o seu corpo foi embalsamado, exatamente como fora o de Gala sete anos antes.

Há muito que Maria Pilar Abel Martinez proclama, para quem a quiser ouvir, ser filha de Salvador Dalí e em 2007 fez mesmo dois testes de paternidade cujos resultados nunca lhe foram revelados. O seu advogado diz não saber ainda quando será feita a exumação, mas avança que deverá realizar-se em julho. A confirmar-se a convicção da cartomante, Maria Pilar poderá usar o apelido do artista e reclamar parte dos seus bens. Mas a fundação Dalí já anunciou que vai recorrer da decisão.

Este é o segundo caso mediático de exumação em Espanha no espaço de dois anos. Em 2015, um grupo de especialistas resgatou e analisou as ossadas de 16 pessoas sepultadas na Igreja das Trinitárias, em Madrid. Entre elas, pensa-se que podem estar as do escritor D. Miguel de Cervantes Saavedra, o autor de “D. Quixote”.

Texto de José Cabrita Saraiva, publicado no nosso parceiro jornal i

Gostas do trabalho da Comunidade Cultura e Arte?

Podes apoiar a partir de 1€ por mês.

Artigos Relacionados