Encenado por Albano Jerónimo e escrito por Cláudia Lucas Chéu, “Orlando” estreia no Centro de Artes de Águeda

por Comunidade Cultura e Arte,    28 Abril, 2022
Encenado por Albano Jerónimo e escrito por Cláudia Lucas Chéu, “Orlando” estreia no Centro de Artes de Águeda
DR
PUB

Espetáculo sobre a dignidade, a partir da obra de Virginia Woolf e do massacre à comunidade LGBTQIA+ na cidade de Orlando (EUA).

“Orlando”, espetáculo da companhia Teatro Nacional 21, com direção de Albano Jerónimo e texto de Cláudia Lucas Chéu, chega agora ao Centro de Artes de Águeda (CAA).

Partindo de “Orlando”, de Virginia Woolf, “Cláudia Lucas Chéu constrói uma narrativa que mistura a ficção da autora britânica com fragmentos da realidade contemporânea. Criar uma nova ficção a partir da junção destes dois elementos é dar vida e também voz a um novo Orlando, numa tentativa de reflexão sobre a dignidade humana, as questões de género e orientação sexual, e sobre as ondas de violência que lhes estão associadas”, pode ler-se num comunicado.

“Orlando” / Fotografia de Susana Chicó

Com direção de Albano Jerónimo e texto de Cláudia Lucas Chéu, “Orlando” é um espetáculo da Teatro Nacional 21 e conta com interpretação de André Tecedeiro, Aurora Pinho, Cláudia Lucas Chéu, Diego Bragà, Eduardo Madeira, Luís Puto, Madalena Massano, Maria Ladeira, Pedro Lacerda, Rita Loureiro e Solange Freitas. Depois da estreia em Guimarães, em dezembro de 2021, e de passar por Lisboa pela Sala Garrett do D. Maria II, onde esteve em cena de 31 de março a 9 de abril, chega agora a Águeda para um espetáculo a 6 de Maio, sexta-feira, pelas 21h30.

No dia 4 de Maio, pelas 18h, será ainda possível assistir de forma gratuita a uma masterclass de interpretação com o ator e encenador Albano Jerónimo. Esta masterclass resulta de uma investigação prática, numa reflexão teórica sobre o trabalho e o papel do ator no panorama atual. Nas palavras de Albano Jerónimo: “acredito na imperfeição do gesto, no limite do corpo, no erro, na falha que nos empurra sempre para uma escassez fértil. A imperfeição e o erro, aqui neste laboratório criativo, desenha-se como algo essencial, determinante para a nossa formação pessoal, profissional e na nossa educação, como algo que nos distingue verdadeiramente do outro. Aqui, daremos espaço para que cada pessoa se entregue à falha como algo precioso e íntimo. Será um embrião criativo do que se esconde.”

A participação nesta masterclasse é gratuita mediante inscrição obrigatória através do preenchimento deste formulário.

Gostas do trabalho da Comunidade Cultura e Arte?

Podes apoiar a partir de 1€ por mês.

Artigos Relacionados