Não é por acaso que os negacionistas e a extrema-direita abundam nas secções de comentários

por João Pedro Martins,    20 Setembro, 2021
Não é por acaso que os negacionistas e a extrema-direita abundam nas secções de comentários
PUB

Ao longo dos últimos anos, creio que terá sido notório, temos vindo a assistir a uma crescente inundação das secções de comentários de páginas noticiosas com comentários suspeitos, vindos de nichos ideológicos que na verdade não representam a generalidade da opinião da população portuguesa.
Estou a falar de uma superabundância de comentários por parte da grupos de extrema-direita, de negacionistas da pandemia, propagandistas anti-vacinação, e de negacionistas das alterações climáticas, entre outros, de forma pouco espontânea, desproporcional.

Muitos de nós já se terão questionado certamente: como podem estas fações, se são tão minoritárias entre a população portuguesa, estar assim tão ativas em secções de comentários, e logo nas principais páginas noticiosas das redes sociais?

Não falo aqui apenas dos eventuais trolls espontâneos, note-se, falo de pessoas que são ideologicamente motivadas, que partilham propaganda, notícias falsas, entre outros conteúdos que visam atingir determinados fins ideológicos, que denotam um maior comprometimento com uma determinada causa.

Tenho hoje evidências a apresentar para aquilo que eu já suspeitava antes. Estamos essencialmente a falar de indivíduos mobilizados, organizados em grupos de centenas de pessoas que se predispõem a combinar entre si a inundação de secções de comentários, atacando como matilhas de lobos sempre que é identificado um novo alvo e partilhada uma nova publicação noticiosa do seu interesse. O objetivo destes é influenciar a opinião pública, é parecerem mais numerosos do que são de facto (uma forma de tentarem compensar o seu diminuto tamanho, digamos assim), tentando fabricar artificialmente a perceção de que haverá um suposto consenso mais favorável às suas mundivisões por entre a generalidade da população portuguesa que lê e reage a estas notícias. Induzir um clima de pós-verdade e, quem sabe, convencerem mais uns quantos.

Apresento abaixo duas capturas de ecrã que expõem um desses grupos organizados.

Os links que partilharam no grupo para invasão são os seguintes, onde podem constatar essa mesma inundação e a disputa artificial por maior número de likes nos comentários de negacionistas: primeiro exemplo, segundo exemplo, terceiro exemplo e quarto exemplo.

É bom que as secretas coloquem os olhos sobre estas movimentações, que as investiguem, e que se alerte a população geral para o modus operandi para lá de rasteiro destes indivíduos, especialmente numa altura em que o seu comportamento está a ultrapassar todos os limites da razoabilidade, ao ponto de suscitar a necessidade de proteção de várias figuras, como o próprio coordenador da task force de vacinação, o vice-almirante Gouveia e Melo.

Gostas do trabalho da Comunidade Cultura e Arte?

Podes apoiar a partir de 1€ por mês.

Artigos Relacionados

por ,    25 Novembro, 2021

Nestes últimos dias, navegando pelas redes sociais, tenho encontrado várias pessoas que citam, sem aparente honestidade, as atuais restrições de entrada em certos espaços e eventos, em vigor para quem não possui o certificado de vacinação, comparando-as depois com as restrições de acesso aos espaços para quem não tinha o "certificado de arianismo", ou "Ahnenpaß", na Alemanha Nazi. Este é muito possivelmente o argumento mais dúbio que estas pessoas poderiam partilhar sobre o assunto. Mais facilmente um "reductiu as hitlerum" destes seria usável e instrumentalizável contra negacionistas e opositores de medidas de contenção da pandemia, lembrando que eram precisamente os nazis que defendiam que os elos mais fracos deveriam ser deixados para trás...

Ler Mais