Não há cá pão para malucos, mas há vacinas!

por Cronista convidado,    30 Agosto, 2021
Não há cá pão para malucos, mas há vacinas!
PUB

Na obscura noite de 14 de Agosto, pouco depois das 22h, hora local, — digo-o desta forma para confundir os terraplanistas, visto que a iluminação da terra é relacionada com a sua forma curvilínea, mas pronto, é deixá-los decifrar esta —, à entrada da favorita danceteria e centro de vacinação de Odivelas, o Vice-Almirante Gouveia e Melo foi recebido por uma claque de energúmenos, que o apuparam e insultaram vilmente. Um deles ressoou mais alto: “Assassino!”.  O que matou mais o ambiente do que a própria Covid. 

Diga-se de passagem que, quando vi o meu Vice-Almirante — e sim, é MEU porque o vi primeiro! —, cercado, só e frágil nos seus quase dois metros de altura, boa largura de ombros, olhar  perfurante e camuflado militar… quase larguei tudo para buscar o meu e apresentar-me ao local gritando: “Sr. Almirante, conte comigo! Não há cá pão para malucos, mas há vacinas!”. 

A verdade é que ele estava bem munido de caráter e uma coluna vertebral impar, e isso tranquilizou-me um bocadinho. Então, rasgou aquele mar de energúmenos, como Moisés separou o Mar Vermelho, sendo que nesta ocasião tratava-se de um oceano de ignorância e obscurantismo… e real desta vez, vá. O que é muito pior, se formos a ver bem. Porque o obscurantismo, e os seus respetivos adeptos, raramente conseguem ver à luz da razão. Eu disse  “raramente” porque sou um optimista por natureza, ambos sabemos que, — eu e a ilustre leitora  ou leitor, que gabo-lhe a paciência para me ler, caso tenha chegado aqui —, o cenário é bem mais  tenebroso.  

É que vivemos numa incrível era do Iluminismo surrealista, onde os factos são cada vez mais maleáveis e diluídos de significado ou evidência às mãos do raciocínio que os encontrar. Servem  o propósito que se deseja, não necessariamente o que tem. Vivemos um período de excesso de  literalidade ou subjetividade, juízo precoce — a forma mais grave precocidade, em boa verdade — ou juízo inexistente, arruinaram-se as construções sobre o conhecimento erguidas pelos  maiores filósofos. Chegámos ao ponto em que, com enorme vontade e com uma boa dose de  martelada semântica, é possível verificar correlações entre quilómetros de estrada alcatroada no Wyoming com a natalidade no Nepal — se tiver tempo no fim-de-semana, vou averiguar isto. Há  aqui qualquer coisa que a OMS não quer que se saiba, cheira-me! O que não faltam são factos, dados e informações para todos os gostos e feitios, eis a génese problema. É que, se antigamente havia quem não soubesse ler, hoje parece que são poucos os que sabem refletir. Enfim, divago. Se a leitora ou leitor chegou até aqui, os meus parabéns. É que até eu já estou cansado de me ler.

Em segunda análise, temo confessar-lhe que concordo com o infame insulto ao Almirante do meu  coração, esse “Assassino!”. É que, desde que ele tomou as rédeas do processo vi “o Homem” matar: a falta de organização e a falta de liderança do processo. Vi, sobretudo, aquela besta  estraçalhar as típicas práticas de compadrio e favoritismo partidário, ou o simples “amiguismo”. Esquartejou-os completamente com as suas armas de eficácia e competência, mostrando que um homem, apurado e selecionado meramente pela sua natureza de qualidades, faz toda a diferença. Ainda se faz de humilde e cândido, o desavergonhado! Tenho tanta fé neste homem  que, muito provavelmente, (muito mesmo) será o único com a habilidade de resolver a minha vida — para quem me conhece, sabe que isto é uma tarefa hercúlea.  

Acho bem que o chamem de “assassino”, devíamos todos fazê-lo, aliás, continuem! Sou capaz  até de me juntar ao vil coro de vozes para a próxima. Mas só se for este o significado: o Sr. Almirante veio “assassinar” a forma como se fazem as coisas neste país, o status quo. Talvez esta seja a grande “injeção” que realmente estávamos todos a precisar. Um bem-haja.  

Sr. Vice-Almirante Gouveia e Melo, se, por algum acidente ou falta de outro material de leitura mais interessante, der com isto, convido-o para um copo.

Crónica de Ricardo Lopes
Criativo de profissão, licenciado e pós-graduado em Gestão, mas sem saber gerir a vida.

Gostas do trabalho da Comunidade Cultura e Arte?

Podes apoiar a partir de 1€ por mês.