Vem aí uma colectânea de “Canções Escolhidas” e uma discografia integral de José Mário Branco

por Comunidade Cultura e Arte,    22 Outubro, 2018
Vem aí uma colectânea de “Canções Escolhidas” e uma discografia integral de José Mário Branco
José Mário Branco / Fotografia de Isabel Pinto
PUB

Ambas as edições estão à venda no dia 23 de Novembro.

Em 2017, José Mário Branco, uma das figuras mais importantes da música portuguesa, comemorou os seus 50 anos de carreira. Uma efeméride única que foi marcada pela reedição da sua obra completa de longa-duração e pelo lançamento de Inéditos (1967-1999), duplo álbum com material inédito em disco ou há muito fora de catálogo.

Agora, para encerrar as comemorações do cinquentenário de carreira, a Warner Music orgulha-se de apresentar CANÇÕES ESCOLHIDAS: uma escolha de 16 temas, seleccionados pelo próprio José Mário Branco, disponível em CD a partir de dia 23 de Novembro.

Os 16 temas, organizados cronologicamente, são uma escolha que o próprio José Mário Branco define como “um possível primeiro contacto”, “ao encontro dos «tempos que correm», das pessoas que desconhecem ou conhecem mal a minha obra e das muitas que nem sabem que eu existo”. Um percurso pessoal que evita os êxitos mais evidentes e lança luz sobre algumas das melhores e mais duradouras canções da obra do cantautor, como “A Morte Nunca Existiu”, “Inquietação”, “Onofre” ou “Engrenagem”.

Iniciando-se com “Casa Comigo, Marta” (do álbum de estreia Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades) e terminando com “Do que um Homem é Capaz” (do seu último disco de estúdio, Resistir é Vencer, de 2004), estas 16 Canções Escolhidas atravessam toda a discografia de estúdio de José Mário Branco, e passam também pelo seu único álbum oficial ao vivo, Ao Vivo em 1997.

Em simultâneo com o lançamento de Canções Escolhidas, a Warner Music lança – em edição limitada – uma caixa de nove CDs que reúne a discografia integral de José Mário Branco.

Nela se incluem os sete álbuns de originais – Mudam-se os Tempos Mudam-se as Vontades (1971), Margem de Certa Maneira (1972), A Mãe (1978), Ser Solidário (1982), A Noite (1985), Correspondências (1990) (todos nas versões restauradas em 1996 por José Manuel Fortes sob a supervisão do próprio José Mário Branco) e Resistir é Vencer (2004); o disco Ao Vivo em 1997; e a recolha Inéditos (1967-1999).

Oportunidade para completar ou descobrir uma das obras seminais da música feita em Portugal e cantada em português.

Alinhamento

1- CASA COMIGO MARTA
2- PERFILADOS DE MEDO
– Do álbum MUDAM-SE OS TEMPOS, MUDAM-SE AS VONTADES (1971)
3- ENGRENAGEM
4- AQUI DENTRO DE CASA
– Do álbum MARGEM DE CERTA MANEIRA (1972)
5- ABC (ELOGIO DA APRENDIZAGEM)
– Do álbum A MÃE (1978)
6- TRAVESSIA DO DESERTO
7- A MORTE NUNCA EXISTIU
8- QUEIXA DAS ALMAS JOVENS CENSURADAS
– Do álbum SER SOLIDÁRIO (1982)
9- ARROCACHULA
– Do álbum A NOITE (1985)
10- EMIGRANTES DA QUARTA DIMENSÃO (CARTA A J. C.)
– Do álbum CORRESPONDÊNCIAS (1990)
11- INQUIETAÇAO (Ao vivo)
12- MENINA DOS MEUS OLHOS (Ao vivo)
13- A NOITE (Ao vivo)
– Do álbum AO VIVO EM 1997 (1997)
14- ONOFRE
15- CANÇÃO DOS DESPEDIDOS
16- DO QUE UM HOMEM É CAPAZ
– Do álbum RESISTIR É VENCER (2004)

Gostas do trabalho da Comunidade Cultura e Arte?

Podes apoiar a partir de 1€ por mês.

Artigos Relacionados

por ,    19 Novembro, 2019

Morreu José Mário Branco (1942-2019), cantor, compositor e produtor, uma das personalidades que mais marcaram a música portuguesa desde a década de 1960 […]

Ler Mais