Marta Nunes ilustra a Pandemia em livro: “uma espécie de manual ilustrado de sobrevivência”

por Comunidade Cultura e Arte,    30 Novembro, 2020
Marta Nunes ilustra a Pandemia em livro: “uma espécie de manual ilustrado de sobrevivência”
Livro de Marta Nunes
PUB

A ilustradora Marta Nunes, que também colabora com a Comunidade Cultura e Arte, quis fazer um exercício diário com “aquilo que estava a sentir” com a Pandemia e também se inspirou “um pouco nas conversas que tive com conhecidos, amigos e familiares.”. Este é assim o seu primeiro livro.

“Achei que a pandemia era um bom mote para uma série de ilustrações num registo diário. Depois, a Cláudia Melo, curadora da Uivo, também achou a abordagem das ilustrações interessante e desafiou-me a produzir o máximo que conseguisse para a mostra que vai acontecer agora em Dezembro.”, disse-nos Marta Nunes.

Livro de Marta Nunes

Este foi o ponto de partida para uma série de 60 ilustrações, muitas já divulgadas online mas também com algumas inéditas e que ajudam a contar a história de dias que se voltam a repetir na nova vaga do vírus da COVID-19 e que virou 2020 do avesso: “A vontade de fazer o livro já é uma questão antiga e como estas ilustrações estavam muito relacionadas entre si achei que fazia sentido construir uma narrativa com elas, que não é linear, mas que acaba por certa forma sintetizar esta questão do confinamento e de todas estas restrições.”, revela-nos Marta Nunes, que acrescenta ainda que “Este livro é uma espécie de manual ilustrado de sobrevivência. Um guia para orientar as emoções, na esperança que seja apenas um memorial num futuro próximo e livre.”, afirma.

O livro é uma edição de autor e já esgotou a sua primeira edição de 50 livros. A segunda edição, desta vez de 100 exemplares, também já está em pré-venda. Todos os livros são numerados e assinados pela ilustradora.

Livro de Marta Nunes
Livro de Marta Nunes

Gostas do trabalho da Comunidade Cultura e Arte?

Podes apoiar a partir de 1€ por mês.

Artigos Relacionados

por ,    25 Novembro, 2021

Nestes últimos dias, navegando pelas redes sociais, tenho encontrado várias pessoas que citam, sem aparente honestidade, as atuais restrições de entrada em certos espaços e eventos, em vigor para quem não possui o certificado de vacinação, comparando-as depois com as restrições de acesso aos espaços para quem não tinha o "certificado de arianismo", ou "Ahnenpaß", na Alemanha Nazi.Este é muito possivelmente o argumento mais dúbio que estas pessoas poderiam partilhar sobre o assunto. Mais facilmente um "reductiu as hitlerum" destes seria usável e instrumentalizável contra negacionistas e opositores de medidas de contenção da pandemia, lembrando que eram precisamente os nazis que defendiam que os elos mais fracos deveriam ser deixados para trás...

Ler Mais