Ministra da Cultura pede para que continuem a ir aos espectáculos

por Comunidade Cultura e Arte,    10 Novembro, 2020
Ministra da Cultura pede para que continuem a ir aos espectáculos
Fotografia de Wan Chen / Unsplash
PUB

Portugal é um dos poucos países da Europa que mantém, neste segunda vaga da pandemia da covid-19, as salas culturais abertas.

Graça Fonseca, ministra da Cultura, salientou ontem (dia 10), no Parlamento Português, que “todos os que fazem o dia-a-dia da cultura, que são profissionais deste sector, estão a viver dias particularmente difíceis” e apelou para que todas as pessoas continuem a ir a espectáculos e equipamentos culturais: “Deixo um apelo a todas as pessoas, cidadãos, que continuemos todos, na medida que conseguirmos, a ir ao teatro, ao cinema, a um espectáculo de música, a uma biblioteca”, afirmou Graça Fonseca.

A ministra salientou ainda que “os profissionais da Cultura têm sido extraordinários” na adaptação das medidas impostas pelo Governo: “no espaço de 24 horas, centenas de salas anteciparam horários e não encerraram”, mudanças essas que aconteceram devido às novas regras do Estado de Emergência que limitam horários de funcionamento, em 121 concelhos, para tentar conter a pandemia.

A responsável máxima da pasta da cultura disse também que “Tudo faremos em 2021, quer com este Orçamento do Estado, com o trabalho com outras áreas do Governo e com a cooperação de todas as entidades para que todas as pessoas do sector resistam a uma crise sem precedentes”, afirmou.

É de recordar ainda, e durante estas declarações da Ministra da Cultura, que acontecia uma manifestação no exterior do parlamento, com cerca de uma centena de profissionais da cultura, que exigiam 1% do Orçamento do Estado para o sector.

Gostas do trabalho da Comunidade Cultura e Arte?

Podes apoiar a partir de 1€ por mês.

Artigos Relacionados

por ,    25 Novembro, 2021

Nestes últimos dias, navegando pelas redes sociais, tenho encontrado várias pessoas que citam, sem aparente honestidade, as atuais restrições de entrada em certos espaços e eventos, em vigor para quem não possui o certificado de vacinação, comparando-as depois com as restrições de acesso aos espaços para quem não tinha o "certificado de arianismo", ou "Ahnenpaß", na Alemanha Nazi. Este é muito possivelmente o argumento mais dúbio que estas pessoas poderiam partilhar sobre o assunto. Mais facilmente um "reductiu as hitlerum" destes seria usável e instrumentalizável contra negacionistas e opositores de medidas de contenção da pandemia, lembrando que eram precisamente os nazis que defendiam que os elos mais fracos deveriam ser deixados para trás...

Ler Mais